Tag Archives: Super-heróis

Eu queria ser um super-herói

13 nov

liga-da-justica-5-herois-1

Sou fascinado por super-heróis e vilões. Desde a mais nobre essência artística da criação até as transformações que ocorrem com o tempo. Creio não existir uma única pessoa que nunca tenha se visto na pele de um ser com superpoderes. Crescemos assim, acreditando que o bem e o mal vivem juntos e são necessários para cobrir as lacunas da nossa existência. Essa visão maniqueísta nos é apresentada desde que começamos a nos formar como pessoas. Quando crianças, precisamos ser bons, pois o bicho-papão pode vir nos pegar. A Igreja prega o conflito constante entre Deus e o Diabo etc. Assim, grande parte da nossa capacidade de pensar converge nessa visão antagônica de qual caminho seguir.

            Inúmeros super-heróis nos abastecem com histórias lúdicas. Podemos vivê-las, imaginando quem gostaríamos de ser. O maior criador desses tipos de personagens é Stan Lee. Nascido em Nova Iorque em 1922, criou os principais personagens da Marvel Comics, transformando-a na maior empresa do ramo no planeta. Sua concorrente direta é a DC Comics.

            Lee criou personagens mais complexos, cômicos e humanos. Desses que somam seus poderes aos problemas diários, como precisar pagar uma conta e não ter o dinheiro para isso. Algumas de suas criações são: Homem-Aranha, Quarteto Fantástico, Incrível Hulk, X-Men, Homem de Ferro, Demolidor etc.

            Reverencio o criador e as criaturas, pois quem não gostaria de ter uma armadura de ferro (na realidade titânio) ou uma força que lhe oferecesse a capacidade de ser indestrutível?

            Confesso que preferiria o poder do professor Xavier, evidentemente longe da cadeira de rodas. Imagine-se com o poder de mudar o mundo com a força do pensamento. Não há outro herói que possa derrotá-lo. Além disso, quantas coisas maravilhosas poderíamos fazer, como acabar com uma guerra?!

            O objetivo principal de se criar um herói é fazer com que o ser humano comum tenha a lacuna da impotência ou da incapacidade preenchida. Tudo o que não conseguimos fazer, eles conseguem com facilidade. E nem por isso deixamos de ser heróis do dia-a-dia. Cuidar da família, trabalhar duro para o sustento, pagar impostos… Haja poder para tudo isso. Queria ver se o Homem de Ferro conseguiria ministrar 14 aulas num dia ou se o Batman teria a capacidade de permanecer acordado por toda a noite preparando provas ou aulas. Cada um como seu superpoder.

Um herói chamado Zé

2 maio

confuso

Bom menino o Zé. Estudioso, vive numa pacata cidade do interior paulista. Passa a vida buscando conhecer mais, lendo livros, analisando a internet, conversando com as pessoas de mais saberes. Tem muitos amigos, mas seleciona sempre os melhores para seu convívio direto. É um rapaz direito, honesto, menino de ouro, nunca mexeu com o bolso ou com a honra alheios.

Rapazote dedicado. Sempre tem a vontade de fazer tudo da melhor forma. Ele é perfeccionista. Não desagrada ninguém. Curte rock in roll e anda por aí sempre homenageando uma banda daqui ou d’acolá com alusões nas camisetas. Como todo nerd inteligente, ama Histórias em Quadrinhos de super-heróis. Queria ser o Homem-aranha, mas percebeu logo cedo que subir em paredes não era seu forte. Tentou ao menos ser goleiro. Até que era dos bons. Saltava para as pontas das traves como uma aranha, mas a hérnia de disco subtraiu-lhe as chances de ele ser super; agora pode apenas ser herói.

Tem coragem para falar tudo o que pensa. Os amigos entendem que as palavras são conselhos. Os que não conhecem muito bem o Zé acham que ele é rude demais. Mas os conselhos sempre são bons.

O Zé é muito metódico e sistemático. Nunca esqueceu o aniversário de nenhum amigo. Na geladeira da sua casa, em dia determinado, acontece a troca do memorando que indica a data de aniversário de todos os companheiros. Assim é mais fácil para mandar mensagens de felicidades e longa-vida.

O Zé é palmeirense. Daí a gente vê que a vida começa a ser sofrida. Faz tempo que não vê o time ganhar nada. Quando, por lapso, os verdes conquistaram a Copa do Brasil, saiu pelas ruas, desnorteado, dizendo “o Verdão voltou!”. Meses depois, o time do Zé caiu para a segunda divisão do Campeonato Brasileiro. Não tiveram sorte, nem o Zé, nem o time.

O Zé quer ser delegado. Eu torço para que ele consiga. Como eu já disse, ele é honesto e idôneo. Precisamos de gente assim para alavancar a nação. Nem beber uma cervejinha ele bebe. Se pudesse, pediria suco de laranja sem frutose, para não expor muito o organismo. Cigarro, então, detesta. Criticava até os cigarrinhos de chocolates com o negrinho na caixinha, guloseima saborosa da infância de muitos. Eu, particularmente, adorava comer o cigarrinho daquele negrinho fumante, um ataque à mão armada ao politicamente correto

Mas pobre Zé. Nem tudo na vida dele é perfeito. Ele não pode ver mulher. Mas não é por vício. Ele não consegue atuar no universo feminino. Certa vez, vendo que outro amigo exagerava no trato feminino, saindo com muitas mulheres, indicou um tratamento psicológico para amenizar a libido do companheiro. Já na primeira sessão, ficou sabendo que o tal amigo cantou a psicóloga. Zé ficou desiludido. Não conseguiu ajudar o parceiro de tantas horas.

Até onde se sabe, Zé nunca conheceu o sabor de uma mulher. Como Álvares de Azevedo, passa noites devaneando e tentando criar um mapa da mina que leve ao tesouro, à caixinha sacrossanta. Mas o ingênuo Zé não percebe que não há mapa nenhum. Não há um X demarcado. Eu torço todos os dias, com toda minha força, que ele encontre o oásis no meio desse Saara inacabável. O Zé precisa experimentar o sabor, que não é nem de frutose, nem igual aos cigarrinhos do negrinho fumante. Zé é um herói por resistir.

                                                                                                                                                                                                                                                                                             (Em 1º/05/2013)