Há quem goste dos flanelinhas?

19 fev

flanelinha

Nada é mais irritante do que parar o carro nas vias públicas e ouvir a pergunta: “Posso dar uma olhadinha, senhor?”. Como um vírus, o número de flanelinhas está aumentando cada vez mais. Não temos mais sossego para andar tranquilos sem que algum nos chame a atenção.

            O “trabalho” deles é dispensável. Não é possível caber na mente humana a necessidade de um cidadão “vigiando” um carro para que ninguém o furte, arranhe ou faça atrocidades com ele.

            Confesso: odeio flanelinhas desde o dia em que, na cidade de Bauru, meu primeiro carro foi depenado por um deles. O fulaninho entortou a porta e subtraiu som, CDs, tudo o que havia no porta-luvas e ainda saiu mascando meus chicletes. Não suporto chegar a algum lugar e já dar de cara com um deles se prestando a fazer nada a troco das minhas moedas.

            Em muitos casos, principalmente aqueles em que o motorista não tem saída se não aceitar pagar pelos “serviços”, pode-se configurar crime de extorsão, já que não há como deixar de aceitar os préstimos.

            Existem três tipos de flanelinhas: rapazes fortes e saudáveis, bêbados e crianças. Os dois primeiros são os mais irritantes. Os rapazes abordam com aquele jeito malandro e vêm com conversa fiada. Os bêbados só faltam se jogar na frente do carro. Agora, as crianças merecem atenção especial. O Conselho Tutelar deveria olhar por elas. Qual a diferença de uma criança pedir esmolas ou moedas para vigiar carros? Existem leis que proíbem que elas se sujeitem a isso.

            Certa vez, a TV Globo exibiu uma reportagem sobre os flanelinhas que atuavam ao redor da Faculdade Armando Álvares Penteado (FAAP), uma das mais tradicionais de São Paulo. Os alunos que precisavam estacionar por ali deveriam pagar mensalidade a eles. Na época, o valor alcançava R$100,00. Caso não aceitassem, os veículos apareciam depredados.

            A Polícia Militar faz vista grossa a esse tipo de gente. Se a corporação quisesse acabar com o problema, já o teria feito. Inaceitável é sermos obrigados a fazer o que não queremos por medo. Ela tem a obrigação de zelar pelo bem comum.

            A cidade litorânea de Ubatuba criou a Associação de Guardadores de Carros. Todos os flanelinhas usam colete, mas torram a paciência do mesmo jeito. Pelo menos, a cidade buscou uma alternativa para amenizar nosso sofrimento. A identificação do sujeito já nos livra do medo inicial de uma possível abordagem mais grosseira.

            Nota-se, nas cidades do Vale do Paraíba, como Cruzeiro, Lorena, Aparecida e Guaratinguetá etc, o aumento no número de flanelinhas. A região central dessas cidades abriga muitos deles. Ainda por cima, além de pagarmos a zona azul, temos que arcar com esse dispensável serviço.

            Rogo aos céus que um dia esse pessoal migre de profissão e aceite o fato de que seus feitos não têm utilidade nenhuma. Tento enxergar no horizonte um mundo no qual os flanelinhas sejam apenas um detalhe sociocultural ultrapassado e em desuso. E, por fim, que nos anais históricos esteja registrado o eficiente trabalho do Estado em conter esses abusos marginais.

5 Respostas to “Há quem goste dos flanelinhas?”

  1. João fevereiro 19, 2014 às 6:19 pm #

    Não é profissão é achaque e assim deveria ser entendido pelo delegado conforme o artigo 158 do Código Penal

  2. Pedro fevereiro 19, 2014 às 7:37 pm #

    Achei muito interessante sua reportagem,aborda muito bem os problemas e os benefícios dos flanelinhas,e também gostei do seu modo de pensar sobre os flanelinhas.Foi muito bom seu texto,parabéns Professor Miguel Junior.

  3. Sidnei março 16, 2014 às 10:35 pm #

    Há também os de motos,e ainda colocam um pedaço de papelão no banco, pra você se sentir na ”obrigação” de pagar.

  4. Foster Silva abril 3, 2014 às 12:17 pm #

    Muito bom o texto, muito escrito, dinâmico e perspicaz de sua parte, parabéns você tem muito talento, Um abraço desde Philladelphia, Estados Unidos.

  5. Eutanásio abril 3, 2014 às 12:21 pm #

    لم أفهم تماما ما كتبته، حاولت أن تترجم بواسطة مترجم جوجل، غير قادر على مجردة قليلا، من ما أفهم المتسولين شارع يهاجمون سياراتهم، أليس كذلك؟ وقد تمتعت حقا وجهة نظرك.يبدو لي، مع تلك السلسلة، ووكن الميت. العناق من بغداد.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: