Quando a cabeça não pensa…

4 set

Cérebro

O cérebro humano é indecifrável. Cientistas bem que tentam, mas não conseguem descobrir tudo aquilo que as ramificações que compõem esse misterioso órgão oferecem. O de Albert Einstein, por exemplo, estaria congelado e ainda serve como objeto de estudos em diferentes pontos do mundo. Como foi considerado um dos maiores gênios do século XX, sete horas após sua morte, teve seu cérebro removido pelo patologista Thomas Harvey.  Percebeu-se que a anatomia do órgão do gênio era diferente da dos outros humanos. Assim, criou-se a tese de que mudanças anatômicas podem explicar a sensacional inteligência, no caso.

            Dentre todos os órgãos, o cérebro é o mais complexo e, por que não dizer, assombroso. As doenças relacionadas a ele sempre foram motivo de muita discussão acadêmica. Porém, em inúmeros casos, não chegaram a um consenso. A história também apresenta outros fatos importantes.

            Na Literatura, por exemplo, temos o registro de inúmeros casos em que grandes artistas das letras cometeram o suicídio por depressão. Raul Pompeia, autor de “O Ateneu”, suicidou-se na noite de Natal de 1895; ele era homossexual e a sociedade não admitia tal orientação. Também no século XIX, criou-se a expressão “Mal-do-Século” para definir o pessimismo extremo, ocasionado pela tristeza, pesar, dor, inadequação social etc, elementos de relacionamento direto com a depressão.

            A obra mais contundente a esse respeito é “Sofrimentos do Jovem Werther”, de Goethe. Publicada na Europa em 1774, conta a história de Werther, um jovem desiludido que vê sua vida em ruínas por estar longe da família e perder seu grande amor. Por cartas, ele se comunica com seu amigo Wilhelm até cometer o suicídio. Quando lançada, causou uma onda de suicídios entre os jovens europeus e, por isso, chegou a ser proibida em outros países. Jovens identificaram-se com o caminho trilhado por Werther e acharam-se no direito de ceifar a própria vida.

            Hoje, já existem incontáveis tratamentos para a tal depressão, desde terapias até medicamentos. Porém, estima-se que, aproximadamente, 20% da população mundial estejam deprimidas por algum motivo. Mesmo com tantos recursos, ainda vemos jovens com problemas desse tipo, na maioria das vezes por dificuldade de relacionamento com os pais ou mesmo falta de estrutura familiar.

            Eu creio no poder da mente. Em 2001, li um livro intitulado “Universo Holográfico”, de Michael Talbot. Nele, pude perceber que o cérebro humano, além de ser regido por sistemas involuntários, também pode ser determinado por nossa vontade, o que é muito difícil, mas não impossível. Dominar o corpo e mente é a essência para o equilíbrio na vida. Saber determinar o caminho para a distinção do bem e do mal no ato de pensar é de suma importância para se obter a tranquilidade ao viver. O segredo é dominar a mente. Tente!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: