A foice da intolerância

6 out

Por vezes, no processo contínuo da nossa história, o preconceito deixou marcas profundas na concepção da sociedade. A cor da pele, o gosto sexual, a ideologia, foram decisivos para ditar os rumos da era atual. Se hoje a mesma sociedade preconceituosa combate o preconceito tão vergonhoso que, como um cancro, resiste em sair, é por que se viu obrigada a fazê-lo, tamanha a mancha de seu passado.

Ainda hoje podemos notar alguns fatos irracionais, como agressão a homossexuais na Avenida Paulista, em São Paulo; espancamento de  pai e filho, confundidos com homossexuais em um parque de diversões em Minas Gerais; ataques a nordestinos e negros por skinheads, a mulheres pelos próprios maridos, a crianças por pais e professores etc.

A criação das cartilhas politicamente corretas é o primeiro passo para se combater o preconceito, mas é muito pouco em comparação ao que pode ser feito. A Associação dos Gays, Lésbicas, Transexuais e Transgêneros (AGLTT), em documento, solicita que não se considere mais “homossexualismo”, mas sim a homossexualidade, já que o primeiro termo pode ser remetido a doença e o segundo, a um estilo de vida. Grande coisa em relação ao que é necessário de fato.

No século XIX, o escritor Raul Pompeia, autor do clássico “O Ateneu”, suicidou-se na noite de Natal por não suportar mais a carga de humilhações que sofria na sociedade. Cruz e Souza, estandarte do Simbolismo Brasileiro, autor de Missal e Broqueis, por ser negro, sentia as dores de não alçar voos maiores na sociedade por puro desprezo. Sua obra divide-se em três partes: 1ª) Dor de ser negro; 2ª) Dor de ser homem; 3ª) Glória em ser espírito.  Dizem que Leonardo da Vinci também tinha apreço por pessoas do mesmo sexo. E por aí vai: Harvey Milk, político gay americano, Mário de Sá-Carneiro, escritor gay português, Martin Luther King, político negro que lutou pela causa de seus “irmãos”etc.

Todos estes sofreram algum tipo de abuso moral. A sociedade da época não aceitava nada que ferisse os ditames ditos religiosos e, por assim dizer, éticos. Se a Igreja determinava algo, isto deveria ser seguido à risca, sob pena de punição pelo contrário. Se ainda hoje, ela mesma defende que o sexo deve acontecer apenas após o casamento e que os métodos contraceptivos não devem ser utilizados, imagine numa época em que praticamente todas as normas partiam dessa instituição.

Dentro dessa perspectiva, reflita sobre quantas grandes cabeças foram ceifadas pela intolerância de homens e mulheres que não respeitavam o gosto e o jeito de ser de seus semelhantes. Grandes pensadores, com certeza, foram tolhidos em sua inteligência pelo simples fato de gostarem do mesmo sexo ou pela cor da pele.

E não basta só isso. As mulheres também sentiram e sentem o rigor do preconceito. Ao analisarmos a própria literatura, notamos que a esmagadora maioria é composta de homens. No Brasil, poucas mulheres se destacam, como Cecília Meireles, Rachel de Queirós, Zélia Gattai, Lygia Fagundes Telles, Lya Luft, Clarice Lispector… assim, temos certeza que tantas outras não puderam expressar seus dons devido à truculência ou falta de oportunidade, já que elas só começaram a conquistas espaço no meio do século XX.

O preconceito e a intolerância é uma foice que corta sonhos, desejos, sorrisos e a vida de muita gente espalhada pelos quatro cantos do mundo. É difícil dizer se esses males um dia acabarão, mas, pelo pouco que conhecemos, são natos ao ser humano, que é vil por natureza. Lamentável!

11 Respostas to “A foice da intolerância”

  1. Gilmar outubro 6, 2011 às 9:35 pm #

    Perfeito amigo. Parabéns.

  2. Iris Moraes, 3º ano outubro 10, 2011 às 7:06 pm #

    Sem contestar tudo que o que você disse, existe um outro lado. Não podemos condenar toda a idelogia de uma sociedade que foi criada assim, as instituições que comandam e orientam o pensamento de toda uma massa que, como sempre, está alienada e acredita no que os detém mais poder acreditam. Essas instituiçoes impuseram lá trás o certo, o errado, o diferente como algo sujeito a discriminação. Mesmo que haja a liberdade de escolha entre os indivíduos, é inevitável que sigamos aquilo que nos foi ditado, ou que nos sintamos “ameaçados” pelo diferente.
    Felizmente, hoje mídia e governo se empenham em mostrar o preconceito à raça, cor, religião, sexualidade, como errado, sem entrar em detalhes de intenções, o importante é que algo está sendo feito, e é utópico pensarmos que a mudança virá de um dia pro outro, uma nova sociedade inteira que agora está sendo construída é que vai ditar o que vai acontecer amanhã.

  3. Felipe Augusto 3° EM outubro 11, 2011 às 12:56 am #

    Realmente, é lamentável ver que em um mundo que se gaba de suas conquistas e avanços em diversos meios, ainda haja um forte preconceito a tudo que parece “diferente”, que vai contra a realidade que muitos vivem, que difere quanto a simples características que nada deviam importar. Quando assistimos aos jornais, só vemos mortes, abusos de diversas formas, confusões e conflitos, todos gerados por uma mentalidade podre de preconceito. Talvez seja culpa do passado, que moldou de má forma o presente. Mas fazer o que, nada passa de simples revoluções de cadeira.

  4. Mah França outubro 11, 2011 às 1:14 am #

    Mariane França 2º EM INSA

    Concordo…….acho que desde a antiguidade existe o preconceito e julgamento (os mais fortes sobrevivem, e os mais fracos morrem) E é. Hoje se cada um não ter uma cabeça aberta, que não se deixa levar pelas influências é um fraco que não consegue sobreviver nesse mundo animal….O mundo hoje vive de julgamentos por aparências, ou até modo de pensar ou de gostar de algo. Infelizmente esses julgamentos, seja por piada ou comentários, marca qualquer um e influência a pessoa. Não é uma coisa que se pode mudar…O machismo que a sociedade hoje tanto prega, “pegar tantas, não usar tais coisas, etc” é o que causa tanta mudança de sexualidade. O ato como alguns querem mostrar sua opção, influência na conclusão sobre em outra pessoa e a faz querer seguir outro tipo………Acho que isso nunca vai acabar..infelizmente é de natureza humana, cada um defender o que gosta e deboxar do que o outro não gosta:/ Deplorável….

  5. Júlia Vilaça outubro 11, 2011 às 2:23 am #

    O preconceito sempre existiu, porém atualmente está voltado aos homossexuais. O fato é que a sociedade não se respeita mais, algumas pessoas estão se comportando como animais, agredindo e matando , muitas vezes, como foi citado , agridem pessoas que não têm nada a ver com sua revolta. O comprometimento do país deveria ser maior com uma melhor conscientização das pessoas e uma melhora nas punições, para assim os seres humanos voltarem a se respeitar.

  6. Rafael Silva outubro 11, 2011 às 10:41 pm #

    A intolerância de uma parcela da sociedade é desprezível, vamos começar pelo atentando feito em alguns lares pelo Brasil a fora, alguns imbecis batem em suas esposas por pequenos detalhes, coisas bobas aos olhos das pessoas mas alguns elementos julgam ser o fim do mundo, até mesmo temos alguns que gostam de bater em mulheres, sentem a adrenalina. Os negros são julgados desde o sempre, alguns sofrem algum tipo de atentado ou declarações ofensivas, todos os seres humanos são seres vivos que não podem ser diferenciados por sua cor ou opção sexual. Temos alguns grupos fundamentalistas que matam homossexuais ou pessoas que agem de modo estranho segundo esses ”seguidores de alguém”, O Nazismo foi umas das grandes forças e forte fonte de ”inspiração” aos skinheads, se um cidadão tem uma opção diferente dos demais e o outro não concorda só cabe a este respeitar, não sair matando qualquer pessoa que ele julga ser diferente. O respeito deveria estar na nossa bandeira e na mente das pessoas.

  7. caique outubro 20, 2011 às 1:16 am #

    Apresentou perfeitamente o que acontece diante dessa sociedade medíocre, como sempre.

  8. Larissa Martinolli outubro 20, 2011 às 11:50 pm #

    As pessoas agora acreditam que devem fazer “justiça” com as próprias mãos. Tudo que elas julgam certo, elas apoiam e idolatram e tudo aquilo que é diferente, que não é aceito, não faz parte da realidade de cada pessoa é tratado com indiferença, muitas vezes pessoas são até agredidas. Ser agredido por sua opção sexual, ou pelo tom da pele é algo inaceitavel, medidas deveriam ser tomadas.

  9. Leonardo Diniz outubro 22, 2011 às 1:50 am #

    Há tempos que o preconceito existe.
    Hoje em dia, o preconceito está sendo contra homossexuais, em sua maioria. Porém, no meu ponto de vista o preconceito seja do mesmo modo na área de etnias, que atualmente tem sido de negros contra brancos. Analise bem nossa situação atual e verá que esse preconceito étnico e real.
    Parabéns pelo texto, está ótimo !

  10. Gabriela Oliveira - 1°ano Objetivo outubro 22, 2011 às 3:22 pm #

    Infelizmente, ainda há preconceito contra várias coisas, e pelo visto não está perto de acabar. As pessoas se auto-afetam por tal comportamento de um homossexual ou um negro e acabam partindo para violência na maioria das vezes.
    Na internet é onde as pessoas mostram mais sua ”cara” e expõem seu preconceito, na maioria das vezes, isso ocorre em redes sociais, se a pessoa não está próxima a você fisicamente, ela toma ainda mais coragem de se expressar.
    Dá boca pra fora ninguém é preconceituoso, quero ver da cabeça pra dentro!

  11. Mateus Amarante Avanço outubro 26, 2011 às 6:36 pm #

    Ultimamente tem ocorrido muito preconceito, e pelo modo que as pessoas estão tratando, não irá de acabar tão cedo.Na minha opinião, as pessoas deveriam ser menos preconceituosos, porque todos somos iguais.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: